Na última semana, o alergologista e imunologista Gil Bardini Alves, da Clínica Pró-Vida, em Tubarão, concluiu um procedimento até então inédito no estado, de acordo com o médico: a dessensibilização alimentar de um paciente alérgico à proteína do leite.

A técnica, recentemente aperfeiçoada em hospital da Universidade de São Paulo (USP), é responsável pela cura 90% dos casos de alergia alimentar.

O paciente, Arthur Medeiros Machado, tem cinco anos e mora com a família em Gravatal. Ele foi tratado por Dr. Gil durante três meses consecutivos. “Realizávamos uma sessão por semana. A cada dia, elevávamos a quantidade de leite dada ao Arthur, sendo primeiramente bastante diluída em água até o consumo de derivados do leite. O resultado foi muito compensador, sendo que nosso paciente não podia sequer ir à escola, em virtude da alergia que apresentava. Com o tratamento, Arthur foi curado da alergia ao leite, passando a levar uma vida normal”, conta Dr. Gil.

Na última sessão, Arthur pôde experimentar doces e demais derivados do leite (na foto com o médico Gil Bardini Alves).

COMO FUNCIONA A DESSENSIBILIZAÇÃO/IMUNOTERAPIA ORAL? 

O tratamento consiste em 12 a 15 sessões em que são ministradas ao indivíduo doses crescentes de um extrato do agente causador da alergia. No caso de Arthur, o leite de vaca. Inicialmente, é pesquisado o histórico clínico por meio de exames que comprovem que o paciente permanece alérgico. Com a confirmação, um teste alérgico cutâneo fornece a quantidade tolerada do alimento em questão. A partir disso, é produzido o extrato diluído do alérgenos, e a concentração deste vai aumentando até que o paciente tolere a quantidade total.




Fonte: Assessoria de Comunicação Pró Vida e Meu Sul

Anúncios