Na sensibilidade ao glúten, ocorre ativação do sistema imune inato pelo glúten, com alterações funcionais e imunológicas, na ausência de alterações significativas da mucosa intestinal que definem a doença celíaca.

Estima-se que a prevalência da sensibilidade ao glúten é de cerca de 6 a 10%, sendo que 50% dos pacientes possuem positividade para antígenos leucocitários humano.

A gliadina encontrada no glúten pode aumentar a permeabilidade intestinal e contribuir para o desenvolvimento de doenças autoimunes, por isso é um importante marcador de inflamação da mucosa intestinal, na hipersensibilidade ao glúten.

Os sensíveis ao glúten não toleram seu consumo e desenvolvem reações adversas, com o envolvimento de múltiplos órgãos, entre eles, sistema gastrointestinal, endócrino, pele e sistema nervoso central, com distúrbios neurológicos, como neuropatia periférica e ataxia pelo glúten.

A ataxia pelo glúten é uma condição neurológica caracterizada pela dificuldade na marcha, disartria e perda de equilíbrio e coordenação, desencadeadas pela ingestão de glúten, proteína presente no trigo, na aveia, no centeio e na cevada, que envolve resposta autoimune, com reação do anticorpo antigliadina à proteína.

Tal desordem tem início na idade adulta, geralmente, entre os 40 anos de idade. Os indivíduos acometidos, em sua maioria, são geneticamente suscetíveis ao seu desenvolvimento. A ataxia pelo glúten tem uma prevalência de 15% entre todas as ataxias.

Os sintomas gastrointestinais, como diarreia, distensão abdominal, vômito e náuseas, presentes na doença celíaca e sensibilidade ao glúten, são raramente presentes na ataxia. O diagnóstico é confirmado por meio da estabilização ou melhora dos sintomas em uma dieta isenta de glúten.

As reações autoimune provocam a perda de células de Purkinje do cerebelo e, caso não haja diagnóstico prévio, nem tratamento, iss pode resultar em danos irreversíveis.

Todavia a doença é potencialmente tratável e reversível e, quanto mais precoces forem os procedimentos, mais as chances de melhoria são aumentadas. Os pacientes com teste positivo para antigliadina e anticorpos anti-TG são submetidos a uma dieta rigorosa de isenção de glúten a fim de reduzir a progressão dos sintomas.

REFERÊNCIA

BARSOTTINI, O. G. P. et al. Ataxias esporádicas de início no adulto: um desafio diagnóstico. Arq. Neuro-Psiquiatr., São Paulo, v. 72, n. 3, p. 232-240, 2014.

DRAGO, S. et al. Gliadin, zonulin and gut permeability: effects on celiac and non-celiac intestinal mucosa and intestinal cell lines. Scand J Gastroenterol., Oslo, v. 41, n. 4, p. 408-419, 2006.

GUAN, W. J. et al. Gluten ataxia of sporadic and hereditary cerebellar ataxia in patients from mainland China. Neurol India., Bombay, v. 61, n. 3, p. 226-230, 2013.

HADJIVASSILIOU, M. et al. Gluten ataxia in perspective: epidemiology, genetic susceptibility and clinical characteristics. Brain., London, v. 126, n. 3, p. 685-691, 2003.

HADJIVASSILIOU, M. et al. Gluten ataxia. Cerebellum., London, v. 7, n. 3, p. 494-498, 2008.

HADJIVASSILIOU, M.; DUKER, A. P.; SANDERS, D. S. Handbook of Clinical Neurology. Neurologic Aspects of Systemic Disease Part II. v. 120. Elsevier press; 2014. Gluten-related neurologic dysfunction. In: BILLER, J.; FERRO, J. M. p. 607-619.

HADJIVASSILIOU, M.; SANDERS, D. D.; AESCHLIMANN, D. P. Gluten-related disorders: gluten ataxia. Dig Dis., Basel, v. 33, n. 2, p. 264-268, 2015.

KHWAJA, G. A. et al. Gluten Sensitivity – A Potentially Reversible Cause of Progressive Cerebellar Ataxia and Myoclonus – A Case Report. J Clin Diagn Res., India, v. 9, n. 11, p. 7-8, 2015.

NANRI, K. et al. Gluten ataxia in Japan. Cerebellum., London, v. 13, n. 5, p. 623-627, 2014.

RASHTAK, S. et al. Serology of celiac disease in gluten-sensitive ataxia or neuropathy: role of deamidated gliadin antibody. J Neuroimmunol., Amsterdam, v. 230, n. 1-2, p. 130-134, 2011.




Fonte: Gluten Free Brasil

 

 

Anúncios