O que é RENAME?

RENAME  quer dizer Relação Nacional de Medicamentos Essenciais, é uma lista oficial de medicamentos que deve atender às necessidades de saúde prioritárias da população brasileira. É um instrumento norteador para várias ações de assistência farmacêutica no SUS.

Essa seleção de medicamentos essenciais é proposta da Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma das estratégias da sua política de medicamentos para promover o acesso e uso seguro e racional de medicamentos. A OMS define os medicamentos essenciais como:

“… aqueles que servem para satisfazer às necessidades de atenção à saúde da maioria da população. São selecionados de acordo com a sua relevância na saúde pública, evidência sobre a eficácia e a segurança e os estudos comparativos de custo efetividade. Devem estar disponíveis em todo momento, nas quantidades adequadas, nas formas farmacêuticas requeridas e a preços que os indivíduos e a comunidade possam pagar” (WHO apud Opas/MS, 2005: 83).

A Relação de medicamentos essenciais da OMS foi adotada há mais de 25 anos, em 1978, e continua sendo norteadora de toda a política de medicamentos da Organização e de seus países membros.

A edição de uma relação nacional de medicamentos no Brasil teve como um de seus objetivos servir de base para a produção das listas de medicamentos a serem utilizadas nos níveis estadual e municipal de atenção à saúde. Trata-se da base fundamental para orientação da prescrição e abastecimento do SUS. A lista de medicamentos essenciais é um instrumento de orientação das condutas clínicas e administrativas para medicamentos em determinado espaço político-social. É utilizada como base para o desenvolvimento e criação das relações de medicamentos essenciais dos estados e municípios. (Sendo que, este último leva o nome de REMUME – Relação Municipal de Medicamentos Essenciais)

A intenção da relação de medicamentos essenciais é proteger a saúde dos cidadãos, pois evita o uso de fármacos cuja eficácia terapêutica é duvidosa ou não comprovada por evidências científicas, cujo perfil de risco à saúde pode ser maior do que os benefícios propiciados, de associações de medicamentos sem justificativa clínica ou de duplicidade de fármacos para a mesma indicação clínica.

No entanto, as bases epidemiológicas e a inclusão de doenças que acometem uma faixa da população atingida principalmente pelas doenças negligenciadas ainda não são significativamente consideradas. Por outro lado, produtos com alto apelo tecnológico são incluídos devido à forte pressão exercida pela Indústria Farmacêutica.

Esta Relação é constantemente revisada e atualizada pela Comissão Técnica e Multidisciplinar de Atualização da Rename (Comare), instituída pela Portaria GM no. 1.254/2005, e composta por órgãos do governo, incluindo instâncias gestoras do SUS, universidades, entidades de representação de profissionais da saúde. O CFF é uma das entidades de representação de profissionais que participa da revisão e atualização da RENAME.

Aqui estão as 3 últimas edições publicadas da RENAME para você fazer o download caso queira e para comparar seus conteúdos:

Mais abaixo tem o link de todas as versões da RENAME do portal do Ministério da Saúde

Link Oficial » RENAME 2010 – 7ª Edição

Link Oficial» RENAME 2013 – 8ª Edição

Link Oficial» RENAME 2014 – 9ª Edição

Outro Link para Visualização da RENAME 2014 – 9ª Edição pelo Youblisher » http://www.youblisher.com/p/1138570-RENAME2014/

Link» REMUME da Prefeitura de Belo Horizonte

Link» Todas as versões da RENAME-Portal do Ministério da Saúde

Anúncios