Quando em 2011 o pesquisador britânico Roy Taylor, professor de Medicina e Metabolismo da Universidade de Newcastle, Reino Unido, mostrou que era possível reverter o diabetes do tipo 2 com uma dieta de baixas calorias, a descoberta chamou a atenção da comunidade científica internacional pela possibilidade de cura da doença, até então considerada crônica, e que costuma piorar com o passar dos anos. O estudo original, no entanto, teve curta duração, de apenas oito semanas, o que levantou dúvidas quanto ao tempo que os beneficiados pela abordagem ficariam livres do diabetes. Agora, porém, um novo estudo conduzido pelo próprio Taylor e sua equipe indica que a reversão permanece por ao menos seis meses em quem consegue manter o peso mais baixo alcançado com a dieta, mesmo que tenha convivido com a doença por até dez anos.

Na nova pesquisa, 30 voluntários diagnosticados com diabetes do tipo 2 entre seis meses e 23 anos seguiram a dieta original, ingerindo entre 600 e 700 calorias diárias na forma de três shakes mais 240 gramas de vegetais sem amido, durante oito semanas. Os participantes perderam em média 14 quilos, e nos seis meses seguintes nenhum deles engordou ao voltar a se alimentar normalmente, mas ingerindo dois terços da quantidade de comida que se serviam anteriormente.

Sem gordura no pâncreas


Destes pacientes, 12 que tinham diabetes há menos de dez anos, ou 40% do total, reverteram a doença e continuaram livres dela durante todo período, ao fim do qual os pesquisadores verificaram que um 13º também se curou. Segundo Taylor, mesmo que depois da dieta os voluntários ainda estivessem com sobrepeso ou obesos, ela já teria sido suficiente para que os beneficiados removessem a gordura que se acumulava em seus pâncreas, permitindo que o órgão voltasse a produzir insulina normalmente.

— Demonstramos que é possível reverter o diabetes mesmo que você tenha a condição há até aproximadamente dez anos — conta Taylor, principal autor de artigo com os resultados da pesquisa, publicado esta semana no periódico científico “Diabetes Care”. — E mesmo se você tiver o diagnóstico há mais tempo que isso, não perca as esperanças, já que grandes melhorias no controle do açúcar no sangue são possíveis. Mas o que o estudo também respondeu é uma pergunta que as pessoas frequentemente me fazem: se eu perder peso e mantiver essa perda, permanecerei livre do diabetes? E a resposta simples para isso é: sim!

Ainda de acordo com Taylor, os resultados da pesquisa apoiam sua teoria de que existe um chamado “limite pessoal de gordura”, segundo a qual se uma pessoa engorda mais do que seu corpo pode tolerar, o diabetes se estabelece, mas se ela perder peso suficiente seu metabolismo pode voltar ao normal.




Fonte: O Globo e CRF-RJ

Anúncios