POR ALEX SANDRO ALVES

É raro não observarmos uma pessoa passar pelo menos um dia sem proferir uma enorme quantidade de queixas e lamentações de toda ordem e não são nem duas nem três vezes, o ato de reclamar diariamente – são muitas!

Vitimismo é o nome da doença das pessoas que se acham punidas com qualquer coisa ou assunto.Trata-se de um sentimento de ansiedade, preocupação ou raiva de quem é vítima de algo ou de alguém. Em linhas psicológicas trata-se de uma tendência obsessiva para se fazer de vítima.

Ser, ou melhor, parecer uma vítima, pode ser muito vantajoso. Uma pessoa que é vítima de algo, de uma forma ou de outra, acaba sendo poupada das críticas dos outros e conta com a compaixão e a compreensão de muitas pessoas, independente do que façam. Na verdade, aqueles que questionam as ações de uma suposta vítima pode até mesmo serem vistos como insensíveis.

Muitos de nós não percebem que vivemos numa sociedade que estimula intensamente o vitimismo, isto é, o papel psicológico de vítima. Desta forma, uma pessoa entrega o seu poder pessoal para outras e se sente fraca, pequena, insuficiente para dar conta da sua própria vida, suas emoções, pensamentos, ações, sonhos e objetivos. Cria dependências imaginárias e passa a atribuir a responsabilidade dos seus resultados – especialmente quando são ruins – aos fatores externos.
Os hábitos que adquire, nesta perspectiva, são os da justificação – “Também, ninguém me ajuda…” ou “Eu cheguei tarde por causa do trânsito…” ou “Eu fiz a minha parte, que culpa tenho eu se ele não me mandou o relatório em tempo?”
Assim, o hábito de se justificar, além das queixas, lamentações e outros comportamentos da pessoa no papel de vítima impactam negativamente na sua performance profissional porque ela não olha pra si mesma para encontrar outras formas de solucionar o que não funciona.

Como Fugir do Vitimismo?

Há aqueles cuja principal habilidade é fazer girar as rodas de manipulação. É a sua segunda pele e se estas rodas param de girar, eles simplesmente não sabem o que fazer “.

– C. JoyBell C.

 

A vitimização é, em muitos casos, uma estratégia que traz mais benefícios do que problemas para a pessoa. Esta condição permite criar uma espécie de imunidade que faz parecer que tudo o que a vítima diz é verdade e que tudo o que ela faz é bem intencionado. Mas, em alguns caso, esse vitimismo calculado, consciente ou inconsciente, esconde uma chantagem e no ato de manipulação.

Aqui estão oito chaves para lidar com pessoas manipuladoras. Nem todas as dicas abaixo podem se aplicar à sua situação específica. Basta usar o que funciona e deixar o resto.

1. Conheça os seus direitos humanos básicos 
A orientação individual mais importante quando você está lidando com uma pessoa psicologicamente manipuladora é conhecer os seus direitos e reconhecer quando estão sendo violados. Contanto que você não prejudique os outros, você tem o direito de se defender e defender seus direitos. Por outro lado, se você trazer prejuízos para os outros, você pode perder esses direitos. A seguir estão alguns dos nossos direitos humanos básicos:
Você tem o direito de ser tratado com respeito.
Você tem o direito de expressar seus sentimentos, opiniões e desejos.
Você tem o direito à sua própria lista de prioridades.
Você tem o direito de dizer “não” sem se sentir culpado.
Você tem o direito de obter o que você paga.
Você tem o direito de ter opiniões diferentes dos outros.
Você tem o direito de cuidar e se proteger de ameaças físicas, mentais e emocionais.
Você tem o direito de criar a sua própria vida feliz e saudável.
Estes direitos humanos básicos representam as suas fronteiras.
É claro que a nossa sociedade está cheia de pessoas que não respeitam estes direitos. Manipuladores psicológicos,  em particular, querem privá-lo de seus direitos para que eles possam controlar e tirar proveito de você. Mas você tem o poder moral e legítimo para declarar que é você, não o manipulador, quem está no comando da sua vida.

2. Mantenha distância
Uma forma de detectar um manipulador é ver se ela age com ´´perfis´´ diferentes na frente de pessoasdiferentes e em diferentes situações. Enquanto todos nós temos algum grau de diferenciação social, os manipuladores psicológicos tendem a habitar em condições extremas, sento altamente educados com uma pessoa e completamente rudes com outra, ou totalmente cuidadosos em um momento e ferozmente agressivos em outro. Quando você observar este tipo de comportamento a partir de um indivíduo, de modo regular, mantenha uma distância saudável e evite se envolver com a pessoa, a menos que seja absolutamente necessário. Como mencionado anteriormente, as razões para a manipulação psicológica crônica são complexas e profundas. Não é seu trabalho alterar ou salvá-los.

3. Evite a personalização e a auto-culpa
Já que a agenda do manipulador é procurar e explorar seus pontos fracos, é compreensível que você se senta inadequado, ou até mesmo se culpe por não satisfazer o manipulador. Nestas situações é importante lembrar que você não é o problema; você está simplesmente sendo manipulado para se sentir mal, ficando mais suscetível para entregar os seus poderes e direitos. Considere o seu relacionamento com o manipulador, e faça as seguintes perguntas:
Estou sendo tratado com respeito genuíno?
As expectativas e demandas dela sobre mim são razoáveis?
Existe apenas uma, ou as duas pessoas desta relação estão se doando para mantê-la?
Em última análise, eu me sinto bem comigo mesmo nesta relação?
Suas respostas a estas perguntas lhe darão importantes pistas sobre se o “problema” na relação é com você ou com a outra pessoa.

4. Coloque o foco neles, fazendo perguntas de sondagem
Inevitavelmente, manipuladores psicológicos vão fazer pedidos (ou exigências) de você. Estas “ofertas” muitas vezes fazem você sair do seu caminho para satisfazer as suas necessidades. Quando você ouvir uma solicitação irracional, às vezes é útil colocar o foco de volta no manipulador, fazendo algumas perguntas de sondagem para ver se ela(e) tem suficiente auto-consciência para reconhecer a injustiça da sua intenção.
Quando você fizer essas perguntas, estará colocando um espelho, de modo que o manipulador possa ver a verdadeira natureza do seu estratagema. Se o manipulador tiver um grau de auto-consciência, ele ou ela provavelmente vai retirar a demanda e recuar.

5. Use tempo a seu favor
Além de pedidos irracionais, o manipulador, muitas vezes, também espera uma resposta imediata de você, para maximizar a pressão e seu controle sobre você na situação. (Vendedores chamam isso de “fechar o negócio”.). Nestas situações, em vez de responder de imediato ao pedido do manipulador, considere usar o tempo a seu favor, e se distancie da sua influência imediata. Você pode exercer liderança sobre a situação simplesmente dizendo:
“Eu vou pensar sobre isso.”
Considere o quanto estas palavras são poderosas de um cliente para um vendedor, ou de você para um manipulador. Aproveite o tempo que você precisa para avaliar os prós e os contras da situação, e considerar se você quer negociar um acordo mais justo, ou se você ficará melhor dizendo “não”, o que nos leva ao nosso próximo ponto:

6. Saiba como dizer “não” – diplomaticamente, mas com firmeza
Para dizer “não” diplomaticamente, mas com firmeza, é  preciso praticar a arte da comunicação. Efetivamente articulado, ele permite que você fique firme, ao mesmo tempo que mantém uma relação viável. Lembre-se de que os seus direitos humanos básicos incluem o direito à sua própria lista de prioridades, o direito de dizer “não” sem se sentir culpado, e o direito de escolher a sua própria vida feliz e saudável.

7. Enfrente os bullyings com segurança
Um manipulador psicológico também se torna um bullyinador quando quer intimidar ou magoar outra pessoa.
A coisa mais importante a ter em mente sobre os bullyinadores é que eles escolhem aqueles que eles percebem como mais fracos, por isso, quando você permanece passiva e complacente, tornar-se um alvo. Bullyinadores são covardes. Quando seus alvos começam a mostrar suas garras e lutar por seus direitos, muitas vezes recuam. Isto é verdade nos pátios das escolas, bem como em ambientes domésticos e de escritório.

8. Elenque as consequências
Quando um manipulador psicológico  insiste em violar seus limites e não aceitam um “não” como resposta, fale das conseqüências.
A capacidade de identificar e afirmar conseqüências é uma das habilidades mais importantes que você pode usar para “se livrar” de uma pessoa difícil. Efetivamente articulada, a consequência dá uma pausa para manipulador, e o obriga a mudar do tirano ao respeitoso.

 




Bibliografia Consultada:

-Site Dicionário Priberam da Língua Portuguesa;

-Site Dicionário Informal;

-Site Elizabeth Zamerul;

-Site Psico News;

-Site Psychology Today.

Foto: Avai News

foto 3x4 alex pequena

Alex Sandro Alves CRF-PR: 20 667-Farmacêutico Especialista em Farmácia Clínica & Prescrição Farmacêutica – Autor do Blog Farmacêutico RT.

Anúncios