Ravidran et.al. (2013) conduziram um estudo clínico duplo-cego em 40 pacientes com distimia para avaliar a eficácia do tratamento com paroxetina na melhora dos sintomas e na qualidade de vida. Durante 12 semanas, 21 pacientes foram tratados com 20 a 40 mg/dia de paroxetina e 19 pacientes foram tratados com placebo. Ao final do estudo, os resultados mostraram que o grupo tratado com paroxetina obteve melhora mais significativa na Escala de Impressão Clínica Global e tendência de superioridade em relação ao placebo na Escala de Avaliação da Depressão de Hamilton.

A resposta e remissão dos sintomas foi maior no grupo paroxetina que no grupo placebo. Não houve diferença significativa nas taxas de desistência ou frequência de efeitos adversos, exceto para transpiração excessiva (maior com paroxetina). Com base nos resultados, os pesquisadores concluiram que a paroxetina é mais eficaz, quando comparada com o placebo, no tratamento da distimia, melhorando os sintomas da depressão e a qualidade de vida dos pacientes distímicos.

FONTE: Ravindran AV, Cameron C, Bhatla R, Ravindran LN, da Silva TL. Paroxetine in the treatment of dysthymic disorder without co-morbidities: A double-blind, placebo-controlled, flexible-dose study. Asian J Psychiatr. 2013 Apr; 6(2): 157-61. doi: 10.1016/j.ajp.2012.10.004. Epub 2012 Nov 17. | DATA: 08/01/2016
Anúncios