Químicos na gravidez
Durante o primeiro trimestre da gravidez, as futuras mamães devem evitar alguns cosméticos, agentes de limpeza e determinados medicamentos, para proteger o cérebro do feto em desenvolvimento da ação de produtos químicos que podem desencadear condições severas, como o autismo.
“Os produtos que usamos diariamente, como cremes e cosméticos, contêm substâncias químicas que podem afetar um bebê em desenvolvimento durante a gravidez,” alerta a professora Dorota Crawford, da Universidade de Iorque (Canadá).
 
A lista compilada por Crawford e seus colegas é longa:
• solventes de limpeza
• pesticidas
• medicamentos anti-inflamatórios não esteroidais, como o ácido acetilsalicílico
• misoprostol (um medicamento utilizado para induzir o parto)
• bifenilos policlorados, usados como lubrificantes industriais
• éteres difenil-polibromados, encontrados em madeira e têxteis
• ftalatos, presentes em pisos de PVC e alguns brinquedos infantis, cosméticos e loções
Cautela na gravidez
A equipe relata que, além do tipo de produto químico a que a mulher grávida pode ser exposta, a duração, a frequência e o nível de concentração do composto também impactam o cérebro em desenvolvimento na fase pré-natal.
“Nós recomendamos que as mulheres aprendam sobre os efeitos à saúde da exposição a substâncias químicas [presentes] no ambiente,” diz Christine Wong, que ajudou a compilar a lista, feita a partir da revisão dos estudos científicos publicados até o momento sobre produtos químicos com indícios de afetarem os bebês em gestação.
O desenvolvimento do cérebro sofre alterações constantes no início da gestação, e seu funcionamento normal depende muito da presença de genes específicos em qualquer dado momento.
Uma vez que fatores ambientais influenciam os níveis de expressão desses genes críticos, é importante que a mulher grávida fique atenta e seja cautelosa quanto à exposição a esses fatores, alertam as pesquisadoras.

 


Com informações do Diário da Saúde

Anúncios