keppra levetiracetam

A Anvisa publicou, no Diário Oficial da União o registro do medicamento Keppra ® (levetiracetam). Este é o 13º medicamento novo registrado na Agência em 2015.

O  Keppra ® é um anticonvulsivante que se apresenta sob a forma de comprimido revestido nas concentrações de 250mg e 750mg e de solução oral na concentração de 100mg/mL. A formulação é indicada para o tratamento da epilepsia.

Indicações de uso Keppra

– Isoladamente em adultos e adolescentes a partir dos 16 anos de idade com epilepsia diagnosticada recentemente, para tratar crises parciais com ou sem generalização secundária.

– Em doentes que estão usando outro medicamento anti-epiléptico (terapêutica adjuvante), para tratar:

– Crises parciais, com ou sem generalização, em adultos, adolescentes e crianças com mais de 4 anos de idade;

– Crises mioclónicas em adultos e adolescentes com idade superior a 12 anos com epilepsia mioclónica juvenil;

– Crises generalizadas tónico-clónicas primárias em adultos e adolescentes com mais de 12 anos de idade com epilepsia idiopática generalizada.

Levetiracetam concentrado é uma alternativa para doentes quando a administração oral, temporariamente, não é possível.

POSOLOGIA

Comprimidos (250mg, 500mg, 750mg, 1000mg), utilizados como tratamento diário na prevenção de crises epiléticas em adultos.

Solução oral (100 mg/ml) , utilizado como tratamento diário na prevenção de crises epiléticas: Em bebês (a partir dos 6 meses até 23 meses), crianças (2 aos 11 anos) e adolescentes (12 aos 17 anos) com peso inferior a 50 kg;

Em adultos e adolescentes (12 aos 17 anos) com peso igual ou superior a 50 kg.
Solução perfusão (100mg/ml) é uma alternativa para doentes quando a administração do medicamento, por via oral, não é possível temporariamente.

CONTRAINDICAÇÕES

Hipersensibilidade à substância ativa ou a outros derivados da pirrolidona ou a qualquer um dos excipientes.

SUPERDOSAGEM

Sintomas

Foram observadas sonolência, agitação, agressividade, nível de consciência reduzido, depressão respiratória e coma, com superdosagem de levetiracetam.

Tratamento da superdosagem

Após uma superdosagem aguda, o estômago deverá ser esvaziado por lavagem gástrica ou indução do vómito. Não existe antídoto específico para o levetiracetam. O tratamento de uma superdosagem deverá ser sintomático e poderá incluir o recurso à hemodiálise. A eficácia da extração do dialisador é 60% para o levetiracetam e 74% para o metabolito primário.


Fonte: PFARMA

Anúncios