Novo medicamento da Pfizer para câncer de mama

Um estudo de fase 3 (PALOMA-3) apresentado na 51ª Reunião Anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO), encerrado no último dia 2, indicou que o medicamento palbociclibe (Ibrance), da Pfizer, associado ao medicamento fulvestranto, mais que dobrou a sobrevida livre de progressão da doença (SLP) em mulheres com câncer de mama metastático HER2- e HR+, cuja doença tenha progredido durante ou após terapia endócrina. Essa associação foi comparada ao tratamento utilizando apenas fulvestranto, considerado terapia-padrão para este tipo de câncer de mama metastático.

Os dados, publicados pela revista científica New England Journal of Medicine, mostraram que, com a combinação dos dois medicamentos, a sobrevida livre da doença chegou a 9,2 meses, ante os 3,8 meses verificados anteriormente com o tratamento realizado isoladamente com fulvestranto. Com base nos resultados de PALOMA-3, a Pfizer tem discutido com as autoridades reguladoras globais os próximos passos que deverão ser tomados para que as mulheres com esse tipo de câncer tenham acesso ao tratamento.

Em fevereiro deste ano, o medicamento palbociclibe, na comparação com o fármaco letrozol, foi aprovado pelo órgão regulatório norte-americano, o Food and Drug Administration (FDA), como tratamento de primeira linha para mulheres na pós-menopausa com câncer de mama avançado que não receberam tratamento sistêmico anterior para a doença em estágio avançado. A aprovação foi concedida dois meses antes do previsto em função do caráter inovador do medicamento.

Sobre PALOMA-3

O estudo envolveu mulheres com um tipo específico de câncer de mama avançado ou metastático que tinham sido tratados anteriormente com a terapia hormonal, mas tiveram uma recaída. Isso significa que o seu câncer de mama metastático progrediu durante ou após os 12 meses de tratamento prévio com terapia endócrino (ou anti-hormonal).

PALOMA-3 (também conhecido como Estudo A5481023) é um estudo multicêntrico com mais de 140 centros globais participantes e 521 pacientes inscritos. Trata-se de um estudo randomizado (2:1), duplo-cego de fase 3 desenhado para avaliar a sobrevida livre de progressão com palbociclibe em combinação com fulvestranto versus fulvestranto mais placebo em mulheres na pré e pós-menopausa com câncer de mama metastático HER2, HR+ cuja doença tenha progredido durante ou após terapia endócrina. Mulheres na pré-menopausa receberam também a supressão ovariana (goserelina).


Fonte: PR Newswire

Anúncios