Antibióticos podem manchar ou escurecer os dentes?

Crianças tratadas com antibiótico do grupo químico das tetraciclinas, durante o período de formação dos dentes, têm um grau de pigmentação nas coroas, variando do amarelo para o marrom e do cinza para o preto.

Esse medicamento dificulta a formação do esmalte (porção brilhante e esbranquiçada do dente) e da dentina (porção situada abaixo do esmalte), provocando alterações na estrutura e na cor dos dentes.

Por essa razão, as tetraciclinas devem e têm sido evitadas, nunca devendo ser prescritas a gestantes e crianças.

Na década de sessenta, a tetraciclina foi muito utilizada, tendo sido responsável por manchar os dentes de muitas pessoas hoje com idade de 40 a 50 anos. Foi por causa da pigmentação causada pela tetraciclina, que se originou o mito de se dizer que os antibióticos “estragam” os dentes e até hoje quando as crianças desenvolvem a doença cárie atribui-se a culpa a esse medicamento.

É preciso, então, não confundir: o antibiótico em si não provoca a doença cárie. Um determinado grupo de antibiótico é que leva a uma alteração na coloração e na estrutura dos dentes.

Vale aqui lembrar que as crianças com infecções crônicas, necessitando ingerir frequentemente o antibiótico, sob a forma de xarope, devem ter um bom controle de higiene bucal, pois correm o risco de desenvolver a doença cárie, por causa do veículo do antibiótico, que é açucarado.

As manchas intrínsecas são quase sempre decorrentes de significativas alterações orgânicas e, até por esse motivo, é fácil perceber que são de difícil remoção. No entanto, atualmente, já se pode contar com o branqueamento vital de dentes intrinsecamente pigmentados, técnica que se tornou bastante conhecida, incluindo um procedimento cosmético seguro que permite o clareamento dos dentes.


Fonte: Medo de Dentista e odontologika

Anúncios